Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Das pausas e dos retornos - o que tenho feito.

26.11.15, a dona do chá
Tempo de leituras e de edição de posts antigos. Este exercício tem sido interessante. Trabalhoso, mas interessante. Por vezes, fico estupefacta com algumas coisas que escrevi no passado e quase tenho vontade de me cobrir com um saco de pano. Inúmeras vezes, o pensamento "Meu Deus, Cátia, o que tinhas na cabeça para escrever isto?" surge com insistência. Mesmo assim - mesmo munida de uma total auto-avaliação cruel - tem sido construtivo e bom.   

Locais de interesse. (5)

12.02.04, a dona do chá
BetaMania « Afinal, quantas vezes fui salva pela orla das marés de convicções tuas, e não minhas? Eu me deixei incrustar na madeira da tua cama, ouvindo tuas idéias de cabeceira, e foram elas que me fizeram a cabeça, que me salvaram do transtorno de não entender a única coisa que eu tinha: eu mesma. » ( 06.Fevereiro.2004 ) ----- dias que correm « faz antes assim: (...)

Locais de Interesse. (4)

30.01.04, a dona do chá
Em Busca da Límpida Medida: « Habita, aí, a quimera e o sortilégio da Límpida Medida./Uma assunção tão pura, tão férrea de fé, que fosse certa, não pudesse nunca estar errada. Pois não seria já assunção. Mas antes consciência. Tudo o que sentisse e pensasse seres, serias. E o mesmo contigo. » ( 21 Janeiro 2004 ) ----- Literatus: « E ainda hoje, quando um poema dele me (...)

Locais de interesse. (3)

17.01.04, a dona do chá
Qoheleth Provavelmente um irmão em Cristo. « Contentamento não se trata de obter o que se deseja, mas sim desejar aquilo que já se tem. (...) Sabem porque razão à vezes temos medo e tememos o futuro? É porque às vezes nós pensamos que as nossas necessidades ou as necessidades de alguém que amamos não serão supridas ou preenchidas. Ou então, noutros casos, nós pensamos que aquilo que está a suprir ou preencher as nossas (...)

Os direitos de autor na blogosfera.

12.12.03, a dona do chá
Durante uma semana não escrevi nada, mas acompanhei através da leitura de alguns blogs favoritos ( nomeadamente a Walkwoman e o Papel de Pão ) um facto que gerou grande polémica no universo dos blogs brasileiros, de âmbito mais literário. Tratou-se de um roubo. Podemos considerar a apropriação de textos, fotografias e ideias sem a devida creditação como um roubo, não é mesmo? A Ticcia, autora do blog

Os dois lados do espelho.

03.12.03, a dona do chá
« Gosto de pensar que há um mundo paralelo. Ou antes, vários. Onde os caminhos que seguimos são outros. Onde as vidas que temos são diferentes. Onde os dias que vivemos, no entanto, duram iguais 24 horas. Quantas vezes já não me terei cruzado comigo mesma? Não tenho medo algum de viver, pelo contrário, fascina-me. Mas na desenfreada roda-viva em que andamos, o tempo escasseia ainda mais depressa. Juntando todos estes mundos, no fim de uma vida teríamos feito tudo! Haveria (...)