Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chego aos 40.

05.01.16, a dona do chá
Posso dizer que começo a sentir a passagem do tempo. Sim, é verdade, chego aos 40 anos. Apenas 40. Já quatro décadas ficaram para trás e com elas alguma história de vida. Apenas 40... Porque será que sinto ter alcançado um patamar diferente? O que muda realmente a partir de agora? Ocorrerá uma misteriosa e insondável aceleração do tempo? Uma amiga querida hoje me disse algo simples e fantástico: "você chegou àquele momento da vida em que já tem um passado mas ainda tem um (...)

(assim, de repente, 10)

08.08.13, a dona do chá
Ao mudar a template do blogue, olho para a lista do arquivo e dei-me conta de que neste mês o meu "Chá de Menta" celebra 10 anos de vida. A constatação cai em mim como uma surpresa inesperada. A realidade é que nunca pensei que duraria mais de um ano, quanto mais de 10.   Este espaço discreto, silencioso e solitário tem sido um companheiro fiel. Em algumas alturas, tive dissabores no resultado do que escrevo, o dito julgamento fácil. Maioritariamente, a alegria e o prazer (...)

(chego aos 37)

05.01.13, a dona do chá
É estranho dizer que realmente sinto a idade que estou a completar. Acreditem, esta é a primeira vez que sinto isso. Tenho 37 e é estranho. Muito estranho. A estranheza de quem já tem alguma coisa para contar, nem que seja para si própria, e não sabe bem como ou sequer se valerá a pena. Começo a contar a vida por décadas e a somar alguns arrependimentos. Ter 37 é como olhar para retratos amarelecidos e perguntar "quem é mesmo aquela?". Quantos éramos e quantos somos agora? (...)

( Chego aos 35 )

06.01.11, a dona do chá
Chego aos 35 anos ainda meio tonta, meio sem acreditar. Nunca me imaginei com 35 anos e ainda a ter um coração que bate com a mesma intensidade dos 15 anos. Chego aos 35 anos desperta para a realidade que me cerca. Consciente de que tenho algo em mim que faz sentir tudo com grande paixão e intensidade. Chego aos 35 anos com mais sede de viver. Com os olhos repletos de capacidade de deslumbramento. Chego aos 35 anos a tentar deixar para trás o que não interessa e a buscar sempre o que (...)