Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Letters from Skye | Jessica Brockmole

24.06.15, a dona do chá
Após o Natal comecei a ler este livro porque soava ideal para uma leitura de fim de ano: um romance leve. Portanto, não me preocupei de pesquisar sobre o livro ou conhecer mais sobre ele; simplesmente comecei a ler. O resultado é que enganei-me redondamente. Este livro foi uma total surpresa. Acreditem, eu apenas esperava um livro bonitinho e leve, talvez induzida pelo título. Eu li a versão brasileira ("Querida Sue") mas quero futuramente ler na versão portuguesa ("Nove mil dias e (...)

Um peixe fora d'água.

23.06.15, a dona do chá
Nestas duas últimas semanas tenho me sentido um peixe fora d'água. Meio mundo revoltado e eu sem entender. Tudo isto porque eu devo ser a única criatura sobre a face da terra que nunca leu nenhum livro nem nunca assistiu um episódio de Game of Thrones. 

Goodreads e metas.

12.06.15, a dona do chá
O Goodreads é a rede social que eu mais gosto. Lá tenho amigos, conteúdos sobre livros|autores e o mais importante é totalmente desprovido de estridência. É isso. No meu feed do Goodreads há um leve murmúrio. Visualizamos apenas o que os nossos amigos andam a ler e, eventualmente, uma questão a outra. De resto, parece aquele leve farfalhar da brisa entre as folhas das árvores. Valorizo esse sossego. -- A minha auto-proposta para este ano é a de ler 60 livros. Está lá (...)

Ler em formato digital ou em papel.

12.06.15, a dona do chá
Sim, tornei-me uma adepta do livro digital. Não, não abandonei o livro de papel. Por quê cargas d´água uma coisa tem de excluir a outra? Inclino-me mais pelo abraçar todas as formas que me levem ao fundamental: ler. É verdade que há toda aquela magia de entrar numa livraria e de folhear páginas. É também verdade que há toda uma apreciação do tipo de papel, capa e diagramação escolhida para uma edição. Sim, há uma certa beleza em vaguear pelos corredores de uma livraria (...)

(terapêutico)

26.03.15, a dona do chá
A felicidade que pode surgir quando lançamos um segundo olhar sobre algo é essencial para a concepção terapêutica de Proust, pois revela até que ponto nossa insatisfação pode derivar da nossa incapacidade de olhar apropriadamente para nossa própria vida, e não de uma deficiência inerente ao nosso cotidiano.  Alain de Botton, Como Proust Pode Mudar Sua Vida.

(cliché)

25.03.15, a dona do chá
"O problema dos clichés não é conter ideias falsas, mas ser articulações superficiais de óptimas ideias." Alain de Botton, Como Proust Pode Mudar sua Vida.

(a sabedoria das ideias)

25.03.15, a dona do chá
Uma boa maneira para avaliar a sabedoria das ideias de uma pessoa talvez seja realizar um exame cuidadoso de sua mente e de sua saúde. Afinal de contas, se seus pronunciamentos realmente fossem dignos da nossa atenção, seria de se esperar que a primeira pessoa a colher os benefícios fosse seu próprio criador. Isso poderia justificar o interesse não apenas pela obra de um escritor, mas também por sua vida? Alain de Botton, Como Proust pode mudar sua vida.

(viver em pleno)

19.01.15, a dona do chá
Para atravessar contigo o deserto do mundo   Para atravessar contigo o deserto do mundo Para enfrentarmos juntos o terror da morte Para ver a verdade para perder o medo Ao lado dos teus passos caminhei   Por ti deixei meu reino meu segredo Minha rápida noite meu silêncio Minha pérola redonda e seu oriente Meu espelho minha vida minha imagem E abandonei os jardins do paraíso   Cá fora à luz sem véu do dia duro Sem os espelhos vi que estava nua E ao descampado se (...)

(última leitura do ano)

06.01.15, a dona do chá
Se cada um conseguisse entender o que tem de fazer no mundo, tudo seria mais simples (...) Bem, não acredito em destino. Destino não combina com liberdade. Eu acredito em liberdade. Gabriel Chalita, O Pequeno Filósofo

(indigestão)

10.12.14, a dona do chá
-Não está com uma cara boa - sentenciou. -Indigestão - repliquei. -De quê? -De realidade. -Melhor entrar na fila - atalhou. Carlos Ruiz Zafón, O Jogo do Anjo