Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

31.01.13

Bicentenário O&P #1 | Leitura Comparada Orgulho e Preconceito - Portugal


a dona do chá

LEITURA COMPARADA DE "PRIDE AND PREJUDICE" DE JANE AUSTEN NAS SEGUINTES TRADUÇÕES:

"Orgulho e Preconceito" (Nuno Castro) E "Orgulho e Preconceito" (Lúcio Cardoso)

---

PRIMEIRAS PALAVRAS

Inicio com a Raquel esta nova aventura pelas páginas de Pride and Prejudice. Acredito que serão dias de imensa alegria e deslumbramento. Porque será que Jane Austen tem esta capacidade perpétua de deslumbrar? Não sei explicar. Reler Pride and Prejudice é uma sensação de lar, de me sentir em casa. De alguma maneira a sua escrita abraça-me e diz-me quase num sussurro que sou bem-vinda. Uma sensação de que todos os personagens estão à porta com sorrisos e mãos estendidas. É uma sensação extremamente boa.

Esta leitura comparada não tem pretensões académicas ou segue um método rígido. Nem sequer tem como intensão apontar erros. Não sou tradutora, nem sequer tenho formação na área de estudo de literatura inglesa. Então, gostaria de deixar claro de que esta leitura comparada resulta de um acto de amor pela obra e por Jane Austen; bem como o destacar das particularidades do português de Portugal e do português do Brasil. Em tempos de afirmação do Acordo Ortográfico (sobre o qual eu desacordo), é para mim um grande prazer ainda ter matéria de comparação entre a língua portuguesa utilizada em ambos países. Há tanta beleza nesta diferença…

Como escrevi anteriormente, o resultado da leitura será publicado por mim e pela Raquel ao fim de cada mês. Abordaremos cinco capítulos de cada vez. Ao longo desta leitura comparada também procurarei abordar alguns temas que suscitam a minha atenção através de alguns trechos preferidos.

 

O INÍCIO

Para começo de conversa, transcrevo o primeiro parágrafo da obra e verão que não há grandes diferenças entre as duas traduções. É seguro afirmar que o início de Orgulho e Preconceito é dos mais emblemáticos:

 

EN | "It's a true universally acknowledged, that a man in possession of a good fortune must be in want of a wife" Pride and Prejudice, pg 2

PT | "É uma verdade universalmente aceite que um homem na posse de uma fortuna avultada necessita de uma esposa" Orgulho e Preconceito, cap. 1, pg 5 

BR | "É uma verdade universalmente conhecida que um homem solteiro, possuidor de uma boa fortuna, deve estar necessitado de uma esposa" Orgulho e Preconceito, cap. 1, pg 9

Haverá alguém que fique indiferente a este parágrafo? Tomo a liberdade de dizer que esta afirmação prende o leitor por completo. Este e o parágrafo seguinte sempre me fazem lembrar um estilo meio teatral, algo meio ao estilo Shakespeare. Imagino sempre um narrador, em cima de um palco, a declamar: "Senhoras e senhores, é uma verdade universalmente conhecida…"  e, de seguida, surge o primeiro acto em que Mrs. Bennet e Mr. Bennet entram com o deliciosamente divertido diálogo sobre o novo vizinho, Mr. Bingley.

Dizer "é uma verdade universalmente conhecida" (opção de Lúcio Cardoso) é a opção mais usualmente utilizada. Mesmo no contexto de conversação é uma expressão usada correntemente. Nesta primeira frase, Jane Austen deixa bem claro um dos assuntos mais presente no livro: o casamento.

 

DIFERENÇAS

EN | "You take delight in vexing me. You have no compassion for my poor nerves." Pride and Prejudice, cap. 2, pg 4

PT | "O senhor tem prazer em arreliar-me. Não tem qualquer compaixão pelos meus pobres nervos." Orgulho e Preconceito, cap. 2, pg 6

BR | "Você se compraz em aborrecer-me; não tem nenhuma pena dos meus pobres nervos." Orgulho e Preconceito, cap. 2, pg 11

Ambas as traduções seguem o sentido da expressão original,  mas agrada-me que cada tradutor tenha utilizado um termo tão típico da sua nacionalidade. Em Portugal, o termo "arreliar" é corrente e acho que cai como uma luva na fala de Mrs. Bennet.


EN | "(…)and already had Mrs. Bennet planned the courses that were to do credit to her housekeeping, when a answer arrived wich deferred it all" Pride and Prejudice, cap.3, pg  10

PT |"E já a senhora Bennet tinha planeado os pratos que comprovariam os seus dotes de boa dona de casa, quando chegou uma resposta que deitou por terra todos os seus planos." Orgulho e Preconceito, cap. 3,  pg 9

BR| "Mrs. Bennet já tinha planejado os pratos à altura da fama da sua cozinha quando chegou uma resposta adiando tudo." Orgulho e Preconceito, cap. 3, pg 16

Neste trecho, encontro-me diante desta dúvida. Parece-me que "to do credit to her housekeeping" parece-me estar relacionado com a capacidade de governar bem uma casa, mais do que a qualidade da cozinha ou das refeições confeccionadas. O que faria com que a tradução portuguesa, neste aspecto, estivesse mais em consonância com o original. Contudo, a frase também indica que Mrs. Bennet estaria centrada em conceber os pratos a serem servidos, o que talvez explicasse o sentido ressaltado pela tradução brasileira, mais centrada na notoriedade dos jantares servidos por Mrs. Bennet. Na segunda parte da frase, destaco apenas a expressão "deitou por terra" por ser uma expressão bastante utilizada em Portugal.


EN | "Mr. Bingley was good-looking and gentlemanlike; he had a pleasant countenance, and easy, unaffected manners" Pride and Prejudice, cap. 3 pg 10 

PT | "O senhor Bingley era bem parecido e tinha um ar distinto, além de um semblante agradável e modos simples e francos." Orgulho e Preconceito, cap. 3, pg 9

BR| "Mr. Bingley era simpático e fino de maneiras. A sua aparência era agradável, os gestos, sem afetação" Orgulho e Preconceito, cap. 3, pg 17

O que eu gosto mais neste trecho é o destaque entre as diferenças do uso da língua em ambos países, principalmente na sua apropriação social e coloquial. Aparentemente, se alguém ler "good-looking" dirá que a tradução portuguesa estaria mais adequada isto porque traduz "bem parecido", o que destaca o aspecto físico de Mr. Bingley. Ou seja, ele seria bonito.  Enquanto que traduzir "good-looking" como "simpático" poderia parecer errado porque a simpatia tem a ver com o lado qualitativo do carácter, algo ligado mais aos sentimentos do que ao aspecto físico. Contudo, dizer "simpático" no Brasil pode estar ligado ao físico. É natural dizer que alguém é "simpático" no sentido de ser "bem parecido", alguém agradável à vista. Mais uma vez, não estou a colocar em causa nem justificar as opções dos tradutores, mas ao ler este trecho foi esta a interpretação que fiz do mesmo. Já que inúmeras vezes, lembro de aplicar o termo simpático da mesma maneira.

 

DÚVIDA

Reli esta frase várias vezes e confesso que fiquei extremamente confusa... Não vos parece que ambas dizem algo totalmente diferente entre si?

 

EN | "Lady Lucas was a very good kind of woman, not too clever to be a valuable neighbour to Mrs. Bennet." Pride and Prejudice, cap. 5, pg 19

PT |"Lady Lucas era uma mulher muito amável, mas não suficientemente inteligente para ser considerada uma vizinha preciosa para a senhora Bennet." Orgulho e Preconceito, cap. 5, pg 13

BR| "Lady Lucas era uma mulher de bons sentimentos cuja inteligência não era demasiado brilhante para impedir que fosse uma vizinha preciosa para Mrs. Bennet." Orgulho e Preconceito, cap. 5,  pg 26

De tal forma causou-me dúvida, que tive curiosidade em verificar nas outras traduções que tenho de Orgulho e Preconceito como o mesmo trecho foi traduzido. Gostei muito da opção feita pela tradução de José da Natividade Gaspar, na edição da Civilização Editora:

 

"Lady Lucas era uma senhora amabilíssima, embora não arguta bastante para que Mrs. Bennet a considerasse vizinha de grande valia", Orgulho e Preconceito, pág. 17 

 

----

Nestes cinco capítulos, Jane Austen apresenta o núcleo da família Bennet, alguns habitantes da localidade e os novos vizinhos que vem habitar  Netherfield. E nisto vemos a subtileza da escritora ao desenhar a personalidade de cada um.

Anseio por continuar (a reviver) a observação dos personagens e também o percurso do trabalho de ambos os tradutores. Mal posso esperar...

 

----

 

Update: A Leitura Comparada da Raquel:

Orgulho e preconceito · Leitura comparada Brasil-Portugal · Capítulos 1 a 5