Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Face a face.

03.09.03, a dona do chá

"Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido." (I Coríntios 13:12)

Tenho pensado muito neste versículo. Aliás, perco horas a pensar nele. Quase posso ver o apóstolo Paulo a falar para os Coríntios e a dizer-lhes: "Tu só és e só vês aquilo que os teus olhos podem alcançar. Mas um dia irás além do que os teus olhos podem ver e, então, vais entender tudo".
Podemos supor muitas verdades e formular inúmeras teorias, mas estamos tão distantes do total conhecimento das coisas.
"Conhecerei plenamente". Alguém já fez algo em que pudesse dizer: "Fiz 'isto' ou 'aquilo' em toda a sua plenitude"? Alguém consegue ser um especialista pleno?
A plenitude é uma palavra que contém em si mesma um significado fabuloso: estado do que é pleno, estado completo, preenchimento, inteireza e perfeição. Destas todas, confesso que gosto do termo inteireza. Ser pleno.
Ver e sentir na totalidade. Se o que eu "conheço em parte" já me fascina, como reagirei quando chegar o dia em que "verei face a face"?

Este versículo está entre aqueles que reforçam as minhas convicções e, ao mesmo tempo, faz-me colocar infinitas questões.