Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

Chá de Menta

I am half agony, half hope | Jane Austen

( a lógica do lucro )

20.04.10, a dona do chá

Noutro dia, uma amiga falava-me de como queria encontrar dois livros - "O Monte dos Vendavais" e "Orgulho e Preconceito" - com um encadernamento à moda antiga e que não encontrava. Eu fiquei a pensar no que ela me disse e tive de concordar. Já repararam que, especialmente nos clássicos, é difícil encontrar uma edição decente? Os livros clássicos que eu tenho ou foram comprados em sebos/alfarrabistas ou são daquelas publicações de bolsos com letras minúsculas. Será que as editoras acham que estas obras são livros pouco interessantes? Ou não são lucrativas?

 

--

 

A propósito disto, desta temática das capas dos livros, lembrei-me de outra coisa complicada é encontrar algumas obras. Por exemplo, o caso da Jane Austen. "Orgulho e Preconceito" e "Sensibilidade e Bom Senso" encontra-se com alguma facilidade, com o "Persuasão" já é preciso alguma insistência, mas se tentar encontrar as obras menos famosas desta escritora é quase impossível. Com a Charlotte e a Emily Bronte - que eu também adoro - acontece o mesmo. Consegue-se a "Jane Eyre" e o "Monte dos Vendavais", mas e as outras obras destas escritoras? Lembro-me de ler algumas outras obras delas em livros antigos de bibliotecas de pessoas amigas; mas eram daqueles livros em que as páginas eram cortadas à mão. Sabem de que tipo de livro eu estou a falar? Devem ser dos anos 60. É, por isso, que para achar alguns livros é preciso ter sorte num alfarrabista/sebo. E é também, por isso, que nas feiras do livro são sempre as primeiras bancas que eu vou vasculhar.

 

--

 

Tudo isto para dizer que eu partilho da indignação da amiga D.L.

Devíamos abrir um grupo no facebook sobre esse assunto...

( a voar )

19.04.10, a dona do chá

nada existe neste pequeno momento e neste instante em que nos desencontramos. nada existe para além do que nos afasta do que é inevitável. esta vida é feita de proximidades e distanciamentos. há barulho, ruído e distorção. 

 

mas nada existe senão o teu nome a voar entre os meus lábios.

( jane austen 3)

19.04.10, a dona do chá

"A minha ideia de boa companhia, Sr. Elliot, é a companhia de pessoas inteligentes, bem informadas, que têm muito sobre que conversar; é a isso que eu chamo boa companhia"

 

Persuasão, Jane Austen

(asa delta)

14.04.10, a dona do chá

uma amiga minha enfrenta, neste momento, um problema complicado. a mãe, muito querida por mim, está a passar por um problema de saúde delicado. esta será uma semana longa e difícil. eu estou longe, não posso fazer muito. acho que apenas posso dar-lhe palavras de conforto e confiança. reforçar a amizade. e orar por todos eles.

mas falo disto para destacar como acho a minha amiga D. admirável. com um problema complicado destes ela ainda tem ânimo, através do skype, para sonhar junto comigo sobre um futuro reencontro. ainda tem forças para sorrir e rir. olho para o écran do computador e fixo-lhe os olhos cansados, tristonhos mas sorridentes.

somos capazes de muitas coisas. enfrentar a dificuldades nos torna fortes e audazes. ao ponto de sonharmos em pular de asa delta.

amiga, somos capazes de muito mais.

(ímpeto)

14.04.10, a dona do chá

Num ímpeto, começou a escrever tudo o que pensava. Todos aqueles sentimentos confusos. Todos aqueles sentimentos que guardava dentro de si. Sentia-se cheia. A transbordar. Escrever foi a sua libertação. Enquanto escrevia, sentiu gradualmente todo aquele peso sair de suas costas e a esvaziar o seu coração. Chorava e ria ao mesmo tempo. No fim, o que estava escrito era ainda mais confuso do que o que julgava sentir.

 

E fazia todo o sentido.

Pág. 2/2